22/09/2019 21:51

Petrobrás enterra sonho de o Rio sediar a maior refinaria do País

imagem

A nova direção da Petrobrás está enterrando a possibilidade de o Rio – principal estado produtor de petróleo – sediar a maior e mais importante refinaria do País. Redenção da região leste fluminense, o projeto do Comperj em Itaboraí consumiu US$ 14 bilhões, e agora, diante da decisão do governo de não construir refinarias, parece sem destinação. Como arremedo, estuda-se a possibilidade de transformar as instalações numa usina termelétrica, cujo impacto econômico na região seria bem menor do que a refinaria.
A estatal desistiu de construir uma refinaria em parceria com a chinesa CNPC no local, como vinha negociando desde 2018. A estratégia foi revista pela nova gestão da companhia. O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defende que a estatal reduza sua participação na área de refino, aumentando a importação e fazendo crescer a dependência do país de empresas estrangeiras de refino. A estatal deve iniciar, em junho, o processo de venda de metade de suas 13 refinarias. Neste cenário, não valeria a pena investir em uma nova unidade no Comperj.

- A construção da refinaria não faz mais sentido no momento em que se planeja vender parte do parque de refino - disse uma fonte do setor ao jornal O GLOBO.
Itaboraí e os municípios vizinhos foram duramente afetados pela crise da Petrobras e sofreram com o aumento do desemprego. Atualmente, já está sendo construída no Comperj uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN), que vai receber e processar o gás natural produzido no pré-sal.

No ano passado, a Petrobras assinou acordo de cooperação com a CNPC para estudar a possibilidade de uma parceria para a construção de uma refinaria no Comperj. Os próprios chineses, porém, também não demonstraram muito interesse em levar adiante as conversas para instalar o empreendimento, segundo fontes a par das negociações.

'